É na casa das rosas

É na casa das rosas
Que sinto os perfumes das flores
Orquídeas, jasmins e as hortênsias
Das margaridas brancas essências
Das beneditas a suave consciência
É na casa das rosas
Numa tarde rosada em um verão alaranjado
Que abri-se as janelas com a força dos ventos
Trazendo o sutil cheiro das rosas para dentro

É na casa das rosas
De paredes brancas e portas azuis
Que sinto-me aquecido do frio
Das manhãs eternas de inverno
Das minhas tristes melancolias
Ao soar o silêncio da música
Ao brotar o raiar dos girassóis
Os passarinhos líricos cantam
E meus males amargos espantam
É na casa das rosas
Que avança a luz da esperança
Que vejo a fonte da juventude
Bebo da água que há a virtude
Para amar como as rosas gentes
Na mão uma linda e mística rosa
No peito a coragem e a atitude
Na boca assopro uma bela corneta

É na casa das rosas
Que as rosas brancas e rosas
Trazem saúde, alegria e amor
Com seus perfumes flagrantes
Flagrou-me beijando as flores
De susto, fugindo o beija-flor
Partiu do jardim sem uma rosa
Apenas deixado em seu dourado bico
O pólen do adocicado mel de saudade...
Se as rosas e seus aromas
São as pétalas das ilusões
Então, o beija-flor voltará sim!
Sempre que puder
Atraído pela essência
Apaixonado pelo mel
À casa das flores rosas
Para iludir-se beijando
A cada flor e cada rosa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s